História

    
    
   
Contam os livros que, por Jerez de Badajoz, hoje conhecido por Jerez de los Caballeros, passaram já muitas civilizações, desde romanos a fenícios, passando por árabes e cristãos.
De todos eles conservamos algo, que guardamos com grande orgulho.
Da pré-história o nosso bem mais apreciado é o Dolmen de Toriñuelo, situado a 5 km de Jerez, datando da época calcolítica. Os fenícios conheciam a zona e há quem seja da opinião de que foram estes os seus fundadores. Foram, pelo menos, quem lhe deu o nome de Ceret.
Dos Visigodos conservamos uma coluna invertida, que data dos anos 556 da nossa era.
Durante o domínio árabe a cidade era conhecia por Xerixa ou Xeris e não há dúvida de que foi importante. Infelizmente, restam poucos monumentos desta época mas ainda temos dois marabus. Graças à conquista por Afonso IX de León em 1230, com a ajuda dos templários, Jerez entrou na época cristã.
Com o Templo começa um repovoamento e engrandecimento da região, sendo desta época a constituição do "bailiato" ou encomenda de Jerez, como o demonstram documentos da ordem. A dissolução da Ordem do Templo, em 1312, por bula do Papa Clemente V faz passar as suas posseções de Espanha e, em concreto, a região de Jerez à coroa. Contam as histórias do povo que os templários resistiram e foram decapitados todos os cavaleiros, daí o nome de "Torre Sangrenta" a uma das fortalezas da muralha de Jerez.
Em 1312, Jerez de los Caballeros passou a ser uma cidade de realengo, sob o domínio da coroa. Em 1370, o rei Enrique II cedeu a cidade à Ordem de Santiago que, por sua vez, a melhoraram radicalmente, ainda que da sua época se conserve pouca informação.
O século XVI supôs um período de engrandecimento para Jerez de los Caballeros. Multiplicaram-se os edificios monumentais, aumentou a população e, entre 1523 e 1526 aproximadamente, Carlos I atribuiu-lhe o título de "cidade muito nobre e leal"
Os séculos XVII e XVIII foram uma época de decadência para a localidade. Houve uma grande pobreza, agravada pela guerra de secessão.
Por fim, no século XX, graças ao "plano Badajoz" são construídos dois reservatórios e três distritos.